Pular para o conteúdo principal

Postagens

Destaques

Pisando nos astros, não tão distraído: resenha de "PARSONA", de Adriano Scandolara

Resenha originalmente publicada no Jornal Opção, 16/05/2017. Link para a compra do livro.
Adriano Scandolara, poeta curitibano e tradutor, é autor de um surpreendente livro de estreia, Lira de lixo (Patuá, 2013). Quatro anos depois, vem a público seu segundo volume de poesia, PARSONA (Kotter). Trata-se de uma obra, digamos assim (com medo de espantar os leitores), “experimental”. Scandolara apropria-se dos 35 sonetos da “Via Láctea” de Olavo Bilac — segunda seção de Poesias —, desmembrando-os e os reconfigurando em novos arranjos, que correspondem aos poemas do livro, dividido em cinco partes. Temos, portanto, uma ambígua autoria em que os significantes da poesia bilaquiana adquirem novos significados no contexto enunciativo da nova obra. Ao final da parte quinta, encontramos a seguinte advertência:
BILAC   DISSE  TUDO   ISSO BILAC NÃO DISSE NADA DISSO
Na parte primeira de PARSONA (anagrama de “Parnaso”), intitulada “tempo desvairado”, explica-nos o autor: “em que mutilo sem dó os soneto…

Últimas postagens

Orelha de "O centro do círculo", de Leopoldo Comitti

Texto da contracapa de PARSONA, de Adriano Scandolara

Orelha de "Natal de Herodes", de Wladimir Saldanha

As estruturas polimóricas: prefácio de "Terezinha", de Josué Souza

Explodindo a aquarela da consciência: prefácio de "Gume de gueixa", de Jandira Zanchi

Parnasianismo brasileiro é ensinado nas escolas como o “modernismo em negativo”